PAISAGEM

ORAÇÃO DO DIVINO ESPÍRITO SANTO

OH! JESUS MEU ETERNO PAI DO CÉU, DOCE CORAÇÃO DE JESUS, SOIS O ME REFÚGIO, MEU GUIA, MINHA LUZ QUE ILUMINA TODO MEU CAMINHO, ME PROTEJA, ME AJUDE, ME DÊ ÂNIMO, CORAGEM E MUITA CONFIANÇA. FIQUE SEMPRE COMIGO. DAI-ME UMA PAZ QUE BROTA DO MEU CORAÇÃO. DAI-ME A GRAÇA DE CONSEGUIR FAZER ALGO PARA VOS AGRADAR. DAI-ME FORÇA, A DECISÃO E CORAGEM. ENVIE TEU ESPÍRITO SANTO E TUDO SERÁ CRIADO. NÃO DEIXE TARDAR EM VOS AGRADECER. ILUMINE MINHA MENTE QUE DEVO FAZER. AJUDE QUE EU NÃO ME ESQUEÇA DE VOS AGRADECER. JESUS FIQUE SEMPRE COMIGO. DOCE CORAÇÃO DE MARIA, RAINHA DO CÉU E DA TERRA. SEJA NOSSA SALVAÇÃO. AMÉM

Observação: Esta oração foi escrita por minha mãe em seus últimos dias de vida /1993. Saudades!

domingo, 6 de maio de 2012

Homenagem aos arquitetos de Brasília

Fonte: http://www.constelar.com.br/blog/media/blogs/politica/niemeyer/oscar_niemeyer_03.jpg
http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/5/54/Montagem_Bras%C3%ADlia.jpg/280px-Montagem_Bras%C3%ADlia.jpg

Oscar Niemeyer
(Arquiteto brasileiro)
15-12-1907, Rio de Janeiro (RJ)
Amante das curvas, Oscar Niemeyer Soares Filho revolucionou a arquitetura mundial com a beleza, leveza e inventividade de suas obras numa época em que imperava o rigor técnico. Nasceu no Rio de Janeiro e se formou pela Escola Nacional de Belas-Artes (1934). 
Como estagiário no escritório de Lúcio Costa, integrou em 1936 a equipe de arquitetos que colaborou com Le Corbusier – a grande influência de sua vida – na construção do edifício do Ministério da Educação, hoje Palácio da Cultura, do Rio de Janeiro, um marco da moderna arquitetura brasileira. 
Aos 35 anos, desprezando deliberadamente os ângulos retos e a arquitetura racionalista feita de régua e esquadro, penetrando com desenvoltura no espaço de curvas e retas que o concreto armado oferece, surpreendeu o Brasil e o exterior com os imprevisíveis e criativos prédios do Conjunto da Pampulha (MG). 
Em 1939, de novo ao lado de Lúcio Costa, trabalhou no projeto do pavilhão brasileiro na Feira Internacional de Nova York. Em 1947, ganhou por unanimidade o concurso para a construção da sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York. 
Seguindo sempre a linha de liberdade plástica e invenção arquitetural, de 1956 a 1959 dedicou-se à construção de uma das mais arrojadas obras de urbanismo e arquitetura do século: Brasília. Respeitando o Plano Piloto de Lúcio Costa, realizou os principais prédios: os palácios da Alvorada e dos Arcos, os ministérios, a Praça dos Três Poderes, a catedral, a universidade e os blocos residenciais. 
Durante a ditadura, foi forçado a deixar o país e exilou-se na França, devido à sua ligação com o Partido Comunista. Criou diversos projetos em vários países: Alemanha, Argélia, Cuba, Estados Unidos, França, Inglaterra, Israel, Itália, Líbano, Portugual, Venezuela, cidade de Neguev e Turim. 
Na França, De Gaulle e Malraux elaboraram uma lei especial para permitir que trabalhasse no país por toda a vida. 
No final dos anos de 1960, retornou ao Brasil e passou a lecionar na Universidade do Rio de Janeiro. Nos anos de 1980, mantendo o jogo harmônico de volumes e grandes espaços livres e abdicando dos detalhes menores, ergueu em São Paulo o monumental Memorial da América Latina. 
 Lúcio Costa
(Arquiteto e urbanista brasileiro)
27-2-1902, Toulouse, França
13-6-1998, Rio de Janeiro (RJ)
Autor do Plano Piloto de Brasília, uma das maiores realizações urbanísticas do século, Lúcio Costa foi um pioneiro na moderna arquitetura brasileira. Natural de Toulouse, na França, filhos de pais brasileiros, graduou-se em arquitetura pela Escola Nacional de Belas-Artes, no Rio de Janeiro, em 1924. 
Sete anos mais tarde, foi convidado a dirigir a escola, onde reformulou o ensino de Arquitetura. Os métodos de ensino foram abandonados e adotou-se em seu lugar um currículo baseado nas teorias funcionais da Bauhaus e de Le Corbusier. Encontrando, porém, resistência às suas ideias, mais tarde Lúcio Costa demitiu-se. 
Em 1936, liderou a equipe de jovens arquitetos, entre eles Oscar Niemeyer, que, a partir do traço inicial de Le Corbusier, criaram o Ministério da Educação, hoje Palácio da Cultura, no Rio de Janeiro, que viria a se tornar um marco histórico na arquitetura brasileira. Três anos depois, conquistou o primeiro lugar num concurso para escolha do pavilhão brasileiro na Feira Internacional de Nova York (EUA). 
Em 1957, venceu o concurso público dedicado à construção da nova capital brasileira: Brasília. Situada no árido Planalto Central do país, a cidade assumiu a forma de um avião. Enquanto os prédios governamentais foram dispostos ao longo do principal eixo leste-oeste, os bairros residenciais ocuparam o norte-sul. 
Juscelino Kubitschek inaugurou a nova capital em abril de 1960. Elaborou também o conjunto residencial do Parque Guinle (1948-1954), no Rio de Janeiro, a Vila Monlevade (1935), em Minas Gerais, a Cidade Universitária da Ilha do Fundão (1936), no Rio de Janeiro, Casa do Brasil, na Cidade Universitária de Paris (1950), sede do 36.º Congresso Eucarístico Internacional, no Rio de Janeiro (1955) e a sede central do Jóquei Clube de São Paulo (1956). 
Como urbanista, fez mudanças no trânsito do Rio de Janeiro, realizou o plano de urbanização da Barra da Tijuca e de Jacarepaguá e alargamento da Praia de Copacabana
Fonte: http://www.netsaber.com.br/biografias/ver_biografia_c_248.html

Saiba mais:

 A Organização das Nações Unidas – ONU conferiu o maior título de Patrimônio Cultural da Humanidade aos arquitetos: Lúcio Costa, seu projetista urbanístico, e Oscar Niemeyer, o arquiteto das mais importantes edificações de Brasília, pois eles conseguiram a harmonia plena entre volumes, espaços e formas. Segue uma breve descrição como consta no site referenciado abaixo:

[...] A linha do horizonte foi preservada como característica do relevo natural e a cidade é apenas cortada no azul degradê do seu céu. Os extensos gramados verdes e os jardins coloridos são o tom natural conferindo às edificações, que parecem não ter peso sobre o solo. As linhas arquitetônicas adotadas para as fachadas e colunas de sustentação dos prédios são de beleza ímpar. As fachadas envidraçadas dos modernos edifícios comerciais, espelham a cidade, multiplicando o reflexo das belas imagens arquitetônicas como um sonho futurista.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá pessoal!
Agradeço seu comentário.
Volte sempre! Geisa