PAISAGEM

ORAÇÃO DO DIVINO ESPÍRITO SANTO

OH! JESUS MEU ETERNO PAI DO CÉU, DOCE CORAÇÃO DE JESUS, SOIS O ME REFÚGIO, MEU GUIA, MINHA LUZ QUE ILUMINA TODO MEU CAMINHO, ME PROTEJA, ME AJUDE, ME DÊ ÂNIMO, CORAGEM E MUITA CONFIANÇA. FIQUE SEMPRE COMIGO. DAI-ME UMA PAZ QUE BROTA DO MEU CORAÇÃO. DAI-ME A GRAÇA DE CONSEGUIR FAZER ALGO PARA VOS AGRADAR. DAI-ME FORÇA, A DECISÃO E CORAGEM. ENVIE TEU ESPÍRITO SANTO E TUDO SERÁ CRIADO. NÃO DEIXE TARDAR EM VOS AGRADECER. ILUMINE MINHA MENTE QUE DEVO FAZER. AJUDE QUE EU NÃO ME ESQUEÇA DE VOS AGRADECER. JESUS FIQUE SEMPRE COMIGO. DOCE CORAÇÃO DE MARIA, RAINHA DO CÉU E DA TERRA. SEJA NOSSA SALVAÇÃO. AMÉM

Observação: Esta oração foi escrita por minha mãe em seus últimos dias de vida /1993. Saudades!

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Gênero Discursivo: Entrevista


A importância do acompanhamento dos pais nas atividades escolares dos filhos
                Prof.a Olga Maria Lodi * em entrevista a J.R.Jerônimo 18.03.2011
É de grande valia o acompanhamento dos pais nas tarefas escolares dos filhos. O fato dos pais estarem juntos da criança no instante da elaboração das atividades escolares, significa dizer:

- a criança não está sozinha nos momentos de suas tarefas escolares apresentando ou não dificuldade, quebra uma situação de isolamento, ou seja, do ser sozinho; 
- a companhia de uma pessoa adulta traz segurança para a criança;
- os pais são os maiores incentivadores dos seus filhos;
- permite uma relação de harmonia e tranquilidade para a criança;
- estabelece uma relação de afetividade entre pais e filhos. 
São infinitas atitudes positivas que poderíamos elencar em benefício à criança, principalmente nesta fase de construção do conhecimento.

 Como deve ser esse acompanhamento?
Prof.a Olga: Os pais têm que fazer um contrato de trabalho com os filhos, mesmo que seja informal, para estabelecer quais são os dias que esses encontros ocorrem.  É aconselhável, se possível, que escolham dias que os filhos necessitam de auxílio e os pais estejam mais livres. Ambas as partes têm que respeitar a decisão tomada.


Como conciliar afazeres profissionais com essa atenção? 
Prof.a Olga: A qualidade de uma boa relação entre pais e filhos não centraliza na quantidade de horas e sim na qualidade da convivência. Portanto, é possível conciliar o lado profissional dos pais em relação à convivência com os filhos. O que precisa é ter boa vontade e um pouco mais de tolerância entre as partes envolvidas. 
  
Prof.a, quando saber que a atenção está virando mimo?
Prof.a Olga:  Uma relação de mimo não é prejudicial na relação humana, o que nós não podemos é transformar esse mimo em excesso. A espécie humana não só gosta como também precisa de uma relação que envolve ações de afetividade, compreensão, amizade,confiança, e outras. 
  
Quais horários, ou momentos, e condição mais adequados para os pais obterem melhores resultados neste acompanhamento?  
Prof.a Olga:  O horário mais adequado para esses encontros entre pais e filhos é aquele em que ambos estejam disponíveis, um horário de tranquilidade e sem atropelos.

Atualmente, muito da educação que deveria ser dada pelos pais, tem sido deixada para a escola.  Na sua opinião, o que pode ser feito para reverter esta situação?
 Prof.a Olga:  É fazer que cada uma cumpra o seu verdadeiro papel social. A Instituição 
Escolar tem com função social de ensinar (conhecimento) e a Instituição Família tem a sua função social de educar (valores). E acreditar que isto é possível de realizar-se através de um trabalho integrado entre escola e família.
  
De que modo o respeito e a valorização do professor também podem ser incentivados 
pelos pais, aos seus filhos?
Prof.a Olga:  Primeiramente, o respeito e a valorização do profissional da educação têm que vir da sociedade. A sociedade tem que acreditar e apostar na instituição educacional e o profissional da educação por sua vez tem que ter consciência que ele é um Educador. 
  
Qual a relação que a senhora vê entre a falta do acompanhamento dos pais, acentuada nas décadas de 80 e 90, e o aumento da violência na sociedade?  E quanto, a retomada deste acompanhamento, poderia corrigir este problema?
Prof.a Olga:  O núcleo família é um referencial de identidade para a criança, adolescente e o adulto. Enquanto núcleo familiar ela fica a desejar com relação à participação direta na formação do indivíduo, sendo assim, o cumprimento do seu papel social ainda permanece  distante na vida do ser humano, seja na escola, ou em qualquer outra situação. Nós estamos
reproduzindo sociedade cada vez mais violenta, para tanto, é necessário que a instituição família e a instituição educacional repensem os seus papéis. Compete à família não somente o papel da procriação, mas o de cuidar e proteger a criança, o adolescente e o adulto, porque ele nunca deixará de ser seu filho. Compete à escola o preparo para o exercício da cidadania e a qualificação para o trabalho.
   
 Que outra informação ou dica a senhora quer ressaltar sobre este tema?
Prof.a Olga: A responsabilidade é de todos com relação à formação e o preparo para o exercício da cidadania do indivíduo. Para tanto, precisamos de uma sociedade mais consciente dos seus atos se desejamos uma sociedade mais justa e igualitária.
   
* Prof.a Olga Maria Lodi Rizzini
  Pedagoga com mestrado em Educação
  Diretora do curso de Pedagogia da Universidade Guarulhos (UnG)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá pessoal!
Agradeço seu comentário.
Volte sempre! Geisa