PAISAGEM

ORAÇÃO DO DIVINO ESPÍRITO SANTO

OH! JESUS MEU ETERNO PAI DO CÉU, DOCE CORAÇÃO DE JESUS, SOIS O ME REFÚGIO, MEU GUIA, MINHA LUZ QUE ILUMINA TODO MEU CAMINHO, ME PROTEJA, ME AJUDE, ME DÊ ÂNIMO, CORAGEM E MUITA CONFIANÇA. FIQUE SEMPRE COMIGO. DAI-ME UMA PAZ QUE BROTA DO MEU CORAÇÃO. DAI-ME A GRAÇA DE CONSEGUIR FAZER ALGO PARA VOS AGRADAR. DAI-ME FORÇA, A DECISÃO E CORAGEM. ENVIE TEU ESPÍRITO SANTO E TUDO SERÁ CRIADO. NÃO DEIXE TARDAR EM VOS AGRADECER. ILUMINE MINHA MENTE QUE DEVO FAZER. AJUDE QUE EU NÃO ME ESQUEÇA DE VOS AGRADECER. JESUS FIQUE SEMPRE COMIGO. DOCE CORAÇÃO DE MARIA, RAINHA DO CÉU E DA TERRA. SEJA NOSSA SALVAÇÃO. AMÉM

Observação: Esta oração foi escrita por minha mãe em seus últimos dias de vida /1993. Saudades!

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Síntese: Escolas Literárias

Por Ana Claudia L. Dantas Ferreira
 
Fonte: http://pre-vestibular.arteblog.com.br/image/1211503216-jpg/

  
Século XII — Idade Média  

TROVADORISMO

Cristianismo
- Temas profanos
- Predomínio da emoção
- Influência das tradições populares
- Ambiente cortês, rural ou marítimo
- Exaltação do ideal cavaleiresco
- Emprego de formas simples
- Estrutura simples, repetições
Cantigas:
      Líricas:
             - de amor
             - de amigo
      Satírica:
             - de escárnio
             - de maldizer
Paio Soares Taveirós: Ribeirinha (Cantiga de amor)

Século XV - XVI — Idade Média / Idade Moderna

HUMANISMO
Transição do teocentrismo para o antropocentrismo.
Início: 1434 (nomeação de Fernão Lopes)
Término: 1527 (retorno de Sá de Miranda)
- Ascensão da burguesia mercantilista.
- Desenvolvimento cultural.
Separação entre a música e o texto poético.
Fernão Lopes (~1380-1459) Lit. Port.
Crônicas Históricas, ênfase no campo psicológico, personagens.
Gil Vicente (1465 - 1536?) Lit. Port. 
Teatro popular.
- profano (sátira ao teocentrismo);
- alegoria - metafórica;
- tipo - não revela nomes;
- quadros sem sequência: mentalidade medieval.

Século XVI — Idade Moderna – Renascimento
CLASSICISMO
Paganismo - Antropocentrismo
- Racionalismo
- Perfeição formal: sonetos e versos decassílabos
- Equilíbrio e objetividade
- Retomada dos escritos gregos e romanos
- Mimetismo (imitação dos antigos)
- Universalismo (valorização dos temas universais)
- Fusionismo (mistura de elementos religiosos católicos com elementos clássicos)
- Predomínio da razão.
- Serenidade e sobriedade
- Senso de proporção
- Nacionalismo
Poesia épica – soneto (forma clássica)
Camões (~1524-1580): Os lusíadas Lit. Port.

QUINHENTISMO
Primeiras manifestações literárias no Brasil.

Literatura da informação (de viagem)
            Pero Vaz de Caminha (1437-1500) Lit. Port.
                        - cartas
Literatura dos jesuítas (de catequese)
            Padre José de Anchieta (1534-1597) Lit. Port.
                        - poemas, autos, sermões, hinos e cartas

Século XVII — Idade Moderna
BARROCO


  • Pe Antônio Vieira: o engenhoso pregador português.
  • Bento Teixeira, Prosopopeia, de 1601, marco inicial do Barroco no Brasil.
  • Gregório de Mattos: o primeiro grande poeta brasileiro.
 
Conflito: antropocentrismo X teocentrismo
Contra-Reforma
Concílio de Trento
Cristianismo conflituoso entre o catolicismo e o protestantismo
- Oposição: material X espiritual
- Conflito entre fé e razão
- Raciocínios complexos
- Requinte formal
- Exagero
- Efemeridade da vida (A vida é curta e precisa ser aproveitada ao máximo)
- Idealização amorosa, sensualidade
- Consciência da efemeridade do tempo
- Gosto pelo soneto
- Construções complexas e raras
- Sugestões sonoras e cromáticas na escrita
- Utilização de figuras de linguagem
            Antítese (sentido contrário)
            Paradoxos (ideias contrárias)
            Oxímoros (conceitos opostos indicando um 3º conceito)
            Quiasmos (repetição simétrica)
            Metáforas (analogia)
            Hipérboles (exagero)
            Anáforas (repetição de termos)
            Aliterações (repetição de sons consonantais)
            Assonâncias (repetição de vogais)
            Gradações (intensificação da idéia)
            Perífrases (substituição)
            Elipses (omissão)
            Prosopopeias (analogia de seres animados a seres inanimados ou imaginários)
Poesia
Gregório de Matos Guerra (1623-1633) Lit. Bras.
Satírica.           
Lírica: amorosa, reflexiva, religiosa
Cartas - Sermões - Profecias
Padre Antônio Vieira 1608-1697 Lit. Port.        

Século XVIII — Idade Contemporânea
Ascensão e queda da produção aurífera de Minas Gerais
ARCADISMO
Paganismo
- Ausência de subjetividade
- Predomínio da razão
- Universalismo
- Materialismo, cientificismo
- Busca da simplicidade: Verdade = Razão = Simplicidade
- Preferência pela claridade
- Figura da mulher distante, abstrata
- Sobriedade
- Objetivismo
- Bucolismo - a natureza como pano de fundo
- Belo artístico equivalente à imitação perfeita dos modelos clássicos
- Imitação dos clássicos
- Imitação da natureza
Poesia Lírica
            Cláudio Manuel da Costa (1729-1789) Lit. Bras.
            Tomás Antônio de Gonzaga (1744-1810) Lit. Bras.
            Silva Alvarenga (1749-1814) Lit. Bras.
Bocage (1765-1805) Lit. Port.
Poesia épica
            Basílio da Gama (1729-1789) Lit. Bras.
            Santa Rita Durão (1722-1784) - Caramuru Lit. Bras.
Bocage (1765-1805) Lit. Port.

Século XIX — (Primeira Metade) — Idade Contemporânea  
ROMANTISMO
Retorno à religiosidade
- O sujeito é o centro de tudo
- Revolução francesa
- Movimentos de independência
- Revolução Industrial
- Desejo de Liberdade
- Subjetividade
- Corrente nacionalista: engajamento ou escapismo
- Corrente pessimista: “mau do século”; Ultra-Romantismo
- Idealização

Primeira geração
Almeida Garret (1799-1854) – Folhas caídas Lit. Port.
Alexandre Herculano (1810-1867) – Eurico, o presbítero Lit. Port.

Segunda geração
Camilo Castelo Branco (1825-1890) – Amor e perdição Lit. Port.
 Júlio Dinis (1839-1871) – As pupilas do Senhor Reitor Lit. Port.

POESIA ROMÂNTICA NO BRASIL
Primeira geração
- Consolidação da cultura do Brasil
- Nacionalismo
- Indianismo
- Religioso

Gonçalves de Magalhães (1811-1882) – Suspiros poéticos e saudades
Gonçalves Dias (1823-1864)
Poema épico indigenista: I-Juca Pirama
Poema lírico: Se se morre um amor
Poesia Nacionalista: Canção do exílio
Teatro: Beatriz Cenci

Segunda geração
- Marcada pelo mal do século
- Individualismo - egocentrismo
- Subjetivismo
- Satanismo
- Erotismo
- Atração pela morte e pelo macabro

Álvares de Azevedo (1831-1852) – A lira dos vint’anos
Casimiro de Abreu (1839-1860) – As Primaveras
Fagundes Varela (1841-1875) – As Primaveras

Terceira geração - CONDOREIRA
- Engajamento social e político
- Produção poética consciente e crítica

Castro Alves (1847-1871)
Poemas: Espumas Flutuantes
Poemas abolicionistas: O Navio Negreiro
Teatro: Gonzaga ou A revolução de Minas

O ROMANCE BRASILEIRO (1840-1880)
- Linguagem metafórica
- Inovações na arte da narrativa – Tempo subjetivo
- Descontinuidade no tempo
- Narrador onisciente, manipulador da sequência temporal
- Enredo elaborado com peripécias, reviravoltas
- Tema: amor
- Oposição aos valores sociais convencionais
- Sublimação do “eu”
- Tema: herói
            - Indivíduo romântico absoluto, idealista e genial
            - Valores nobres incompatíveis com os da sociedade
- Figura feminina como o bojo da idealização do herói

Romance indigenista
- Exaltação da Natureza e da figura do índio
- O índio é o símbolo máximo do nacionalismo
José de Alencar (1829-1877) – Iracema

Romance regionalista
- Não segue o modelo europeu – Constrói modelos próprios
- O regionalismo
            - respeito às diferenças culturais brasileiras
            - realce dos traços que caracterizam cada região
- Explora a realidade nacional

Nordeste:
Franklin Távora (1842-1888) – O cabeleira
Sul:
José de Alencar (1829-1877) – O gaúcho
Centro-Oeste:
Visconde de Taunay (1843-1899) – Inocência

Romance urbano
- Segue tendência européia
- Bastante aceito pela burguesia, tema desse tipo de romance
- Trata da
- vida cotidiana da classe média
- críticas a esse social 
- análise do comportamento e dos valores vigentes
José de Alencar (1829-1877) – Senhora
Manuel Antônio de Almeida (1831-1861) – Memórias de um Sargento de Milicias

Século XIX (Segunda metade) - Revolução Francesa / Industrial
Idade Contemporânea
REALISMO
Desmoralização do poder absoluto dos reis e do poder atemporal da Igreja
- Contexto:
- Evolucionismo – Charles Darwin (1809-1882)
- Determinismo – Hippolyte Taine (1825-1893)
             
Naturalismo
- Socialismo Científico – Karl Max (1818-1883) e Friederich Engels (1820-1895)
            Manifesto Comunista
- Positivismo – Auguste Comte (1798-1857)
- Análise e síntese da objetividade, da realidade, da verdade, em oposição ao subjetivismo e idealismo românticos;
- Indiferença do "eu" subjetivo e pensante diante da natureza;
- Reprodução exata, fiel e pormenorizada da natureza;
- Neutralidade do coração e do espírito diante do bem e do mal, do vício e da virtude, do belo e do feio;
- Análise corajosa dos aspectos baixos da vida, sobretudo dos vícios e taras, não os ocultando e chamando-os pelo seu nome;
- Lógica entre as causas (biológicas e sociais) do comportamento das personagens do romance e a natureza (exterior e interior) desse comportamento;
- Cosmopolita sobrepondo-se ao nacional e tradicional dos românticos;
- Simplicidade e transparência.

Diferença entre Realismo e Naturalismo
- Todo naturalista é realista, mas nem todo realista é naturalista .
- Há algumas diferenças fundamentais:
- o Realismo procura ter uma visão global do narrado, perscrutando mesmo a vida psicológica de suas personagens,
- o Naturalismo atém-se à vida biológica das personagens, isto para comprovar as teorias determinista e darwinista que equiparam o homem, excluída sua capacidade de raciocínio, a um animal.


O CONTEXTO HISTÓRICO - REALISMO
No Brasil as últimas décadas do século XIX refletem a crise da monarquia, ocorrendo o avanço dos ideais abolicionistas e republicanos, à quebra da unidade política do império e a urbanização. Nesse cenário surge o realismo brasileiro. A segunda metade desse século está marcada por uma revolução nas idéias e na própria vida. Ocorrendo primeiro no espírito e no pensamento e depois, integrando-se a vida, essa revelação despertou interesse pelas coisas materiais; a revisão dos valores românticos e burgueses.