PAISAGEM

ORAÇÃO DO DIVINO ESPÍRITO SANTO

OH! JESUS MEU ETERNO PAI DO CÉU, DOCE CORAÇÃO DE JESUS, SOIS O ME REFÚGIO, MEU GUIA, MINHA LUZ QUE ILUMINA TODO MEU CAMINHO, ME PROTEJA, ME AJUDE, ME DÊ ÂNIMO, CORAGEM E MUITA CONFIANÇA. FIQUE SEMPRE COMIGO. DAI-ME UMA PAZ QUE BROTA DO MEU CORAÇÃO. DAI-ME A GRAÇA DE CONSEGUIR FAZER ALGO PARA VOS AGRADAR. DAI-ME FORÇA, A DECISÃO E CORAGEM. ENVIE TEU ESPÍRITO SANTO E TUDO SERÁ CRIADO. NÃO DEIXE TARDAR EM VOS AGRADECER. ILUMINE MINHA MENTE QUE DEVO FAZER. AJUDE QUE EU NÃO ME ESQUEÇA DE VOS AGRADECER. JESUS FIQUE SEMPRE COMIGO. DOCE CORAÇÃO DE MARIA, RAINHA DO CÉU E DA TERRA. SEJA NOSSA SALVAÇÃO. AMÉM

Observação: Esta oração foi escrita por minha mãe em seus últimos dias de vida /1993. Saudades!

sábado, 2 de abril de 2011

Elementos conectores – Conjunções e Locuções

Análise de Textos | Um blog dedicado à Língua Portuguesa, Literatura e Redação
É extremamente importante, para que se penetre no texto, uma noção segura dosrecursos de que a língua dispõe para estabelecer a coesão textual.
Aliás, esse termo é ainda mais amplo: qualquer vínculo estabelecido entre as palavras, as orações, os períodos ou os parágrafos podemos chamar de coesão.
Toda palavra ou expressão que se refere a coisas passadas no texto, ou mesmo às que ainda virão, são elementos conectores. Os termos a que eles se referem podem ser chamados de referentes. Muita atenção, pois, com os conectores. Abaixo, veja um elemento responsável pela coesão textual:

Conjunções e locuções conjuntivas
Conjunção é a palavra que liga duas orações ou, em poucos casos, dois elementos de mesma natureza. Pode-se entender também como a palavra que introduz uma oração, que pode ser coordenada ou subordinada. É sumamente importante para a interpretação e a compreensão de textos o conhecimento das conjunções e locuções correspondentes. Chamaremos a todas, simplesmente, conjunções.
Da mesma forma que as preposições, as conjunções não têm referentes propriamente ditos. Cumpre reconhecer o valor de cada uma, para que se entenda o sentido das orações em português e, conseqüentemente, do texto em que elas aparecem.
Conjunções coordenativas
São as que iniciam orações coordenadas. Podem ser:
1) Aditivas: estabelecem uma adição, somam coisas ou orações de mesmo valor.
Principais conjunções: e, nem, mas também, como também, senão também,
como, bem como, quanto.
Ex.: Fechou a porta e foi tomar café.
Ex.:Não trabalha nem estuda.
Ex.:Tanto lê como escreve.
Ex.:Não só pintava, mas também fazia versos.
Ex.:Não somente lavou, como também escovou os cães.
2) Adversativas: estabelecem idéias opostas, contrastantes. Principais conjunções: mas, porém, contudo, todavia, entretanto, no entanto, não obstante, senão, que.
Ex.: Correu muito, mas não se cansou.
Ex.:As árvores cresceram, porém não estão bonitas.
Ex.:Falou alto, todavia ninguém escutou.
Ex.:Chegamos com os alimentos, no entanto não estavam com fome.
Ex.:Não o culpo, senão a você.
Ex.:Peça isso a outra pessoa, que não a mim.
Observações
a) Em todas as frases há idéia de oposição. Se a pessoa corre muito, deve ficar cansada. A palavra mas introduz uma oração que contraria isso. O mesmo ocorre com as outras conjunções e suas respectivas orações.
b) Às vezes, a palavra e, normalmente aditiva, assume valor adversativo.
Ex.: Fiz muito esforço e nada consegui, (mas nada consegui)
3) Conclusivas: estabelecem conclusões a partir do que foi dito inicialmente. Principais conjunções: logo, portanto, por conseguinte, pois (colocada depois do verbo), por isso, então, assim, em vista disso.
Ex.: Chegou muito cedo, logo não perdeu o início do espetáculo.
Ex.:Todos foram avisados, portanto não procedem as reclamações.
Ex.:É bastante cuidadoso; consegue, pois, bons resultados.
Ex.:Estava desanimado, por conseguinte deixou a empresa.
Ex.:É trabalhador, então só pode ser honesto.
4) Alternativas: ligam idéias que se alternam ou mesmo se excluem.
Principais conjunções: ou, ou...ou, ora...ora, já...já, quer...quer.
Ex.: Faça sua parte, ou procure outro emprego.
Ex.: Ora narrava, ora comentava.
Ex.: “Já atravessa as florestas, já chega aos campos do Ipu.” (José de Alencar)
5) Explicativas: explicam ou justificam o que se diz na primeira oração. Principais conjunções: porque, pois, que, porquanto.
Ex.: Chorou muito, porque os olhos estão inchados.
Ex.: Choveu durante a madrugada, pois o chão está alagado.
Ex.: Volte logo, que vai chover.
Ex.: Era uma criança estudiosa, porquanto sempre tirava boas notas.
Observações
a) Essas conjunções também podem iniciar orações subordinadas causais, como veremos adiante.
b) Depois de imperativo, elas só podem ser coordenativas explicativas, como no terceiro exemplo.
Conjunções subordinativas
São as que iniciam as orações subordinadas. Podem ser:
1) Causais: iniciam orações que indicam a causa do que está expresso na oração principal. Principais conjunções: porque, pois, que, porquanto, já que, uma vez que, como, visto que, visto como.
Ex.: O gato miou porque pisei seu rabo.
Ex.: Estava feliz pois encontrou a bola.
Ex.: Triste que estava, não quis passear.
Ex.: Já que me pediram, vou continuar.
Ex.: Visto que vai chover, sairemos agora mesmo.
Ex.: Como fazia frio, pegou o agasalho.
2) Condicionais: introduzem orações que estabelecem uma condição para que ocorra o que está expresso na oração principal. Principais conjunções: se, caso, desde que, a menos que, salvo se, sem que, contanto que, dado que, uma vez que.
Ex.: Explicarei a situação, se isso for importante para todos.
Ex.: Caso me solicitem, escreverei uma nova carta.
Ex.: Você será aprovado, desde que se esforce mais.
Ex.: Sem que digas a verdade, não poderemos prosseguir.
Ex.: Contanto que todos participem da reunião, os projetos serão apresentados.
Ex.: Uma vez que ele tente, poderá alcançar o objetivo.
3) Concessivas: começam orações com valor de concessão, isto é, idéia contrária à da oração principal. Cuidado especial com essas conjunções! Elas são bastante cobradas em questões de provas. Principais conjunções: embora, ainda que, mesmo que, conquanto, posto que, se bem que, por mais que, por menos que, suposto que, apesar de que, sem que, que, nem que.
Ex.: Embora gritasse, não foi atendido.
Ex.: Perderia a condução mesmo que acordasse cedo.
Ex.: Conquanto estivesse com dores, esperou pacientemente.
Ex.: Posto que me tenham convidado com insistência, não quis participar.
Ex.: Por mais que tentem explicar, o caso continua confuso.
Ex.: Sem que tenha grandes virtudes, é adorado por todos.
Ex.: Doente que estivesse, participaria da maratona.
Ex.: Fale, nem que seja por um minuto apenas.
4) Comparativas: introduzem orações com valor de comparação. Principais conjunções: como, (do) que, qual, quanto, feito, que nem.
Ex.: Ele sempre foi ágil como o pai.
Ex.: Maria estuda mais que a irmã. (ou do que)
Ex.: Nada o entristecia tanto quanto o sofrimento de seu povo.
Ex.: Estava parado feito uma estátua.
Ex.: Rastejávamos que nem serpentes.
Ex.: Ele agiu tal qual eu lhe pedira.
Observações
a) Geralmente o verbo da oração comparativa é o mesmo da principal e fica subentendido. É o que ocorre nos cinco primeiros exemplos.
b) As conjunções feito e que nem são de emprego coloquial.
5) Conformativas: principiam orações com valor de acordo em relação à principal. Principais conjunções: conforme, segundo, consoante, como.
Ex.: Fiz tudo conforme me solicitaram.
Ex.: Segundo nos contaram, o jogo foi anulado.
Ex.: Pedro tomou uma decisão consoante determinava a sua consciência.
Ex.: Carlos é inteligente como os pais sempre afirmaram.
6) Consecutivas: iniciam orações com valor de conseqüência. Principais conjunções: que (depois de tão, tal, tanto, tamanho, claros ou ocultos), de sorte que, de maneira que, de modo que, de forma que.
Ex.: Falou tão alto que acordou o vizinho.
Ex.: Gritava que era uma barbaridade. (Gritava tanto...)
Ex.: Eu lhe expliquei tudo, de modo que não há motivos para discussão.
7) Proporcionais: começam orações que estabelecem uma proporção. Principais conjunções: à proporção que, à medida que, ao passo que, quanto (em correlações do tipo quanto mais...mais, quanto menos...menos, quanto mais...menos, quanto menos...mais, quanto maior...maior, quanto menor...menor).
Ex.: Seremos todos felizes à proporção que amarmos.
Ex.: À medida que o tempo passava, crescia a nossa expectativa.
Ex.: O ar se tornava rarefeito ao passo que subíamos a montanha.
Ex.: Quanto mais nos preocuparmos, mais ficaremos nervosos.
Ex.: Quanto menos estudamos, menos progredimos.
Ex.: Quanto maior for o preparo, maior será a oportunidade.
8) Finais: introduzem orações com valor de finalidade. Principais conjunções: para que, a fim de que, que, porque.
Ex.: Fechou a porta para que os animais não entrassem.
Ex.: Trarei minhas anotações a fim de que você me ajude.
Ex.: Faço votos que sejas feliz. (= para que)
Ex.: Esforcei-me porque tudo desse certo. (= para que)
9) Temporais: introduzem orações com valor de tempo. Principais conjunções: quando, assim que, logo que, antes que, depois que, mal, apenas, que, desde que, enquanto.
Ex.: Cheguei quando eles estavam saindo.
Assim que anoiteceu, fomos para casa.
Sentiu-se aliviado depois que tomou o remédio.
Mal a casa foi reformada, a família se mudou.
Hoje, que não tenho tempo, chegaram as propostas.
Estávamos lá desde que ele começou a lecionar.
Enquanto o filho estudava, a mãe fazia comida.
10) Integrantes: são as únicas desprovidas de valor semântico; iniciam orações que completam o sentido da outra; tais orações são chamadas de subordinadas substantivas. São apenas duas: que e se.
Ex.: É bom que o problema seja logo resolvido..
Veja se ele já chegou.
Obs.:As palavras que e se, nos exemplos acima, iniciam orações que funcionam, respectivamente, como sujeito e objeto direto da oração principal.
Fonte: http://www.analisedetextos.com.br/search/label/Coes%C3%A3o%20e%20Coer%C3%AAncia%20textual?sms_ss=blogger&at_xt=4d970d75ef3fcb53%2C0
ATENÇÂO:Saiba mais sobre este assunto clicando no link acima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá pessoal!
Agradeço seu comentário.
Volte sempre! Geisa