PAISAGEM

ORAÇÃO DO DIVINO ESPÍRITO SANTO

OH! JESUS MEU ETERNO PAI DO CÉU, DOCE CORAÇÃO DE JESUS, SOIS O ME REFÚGIO, MEU GUIA, MINHA LUZ QUE ILUMINA TODO MEU CAMINHO, ME PROTEJA, ME AJUDE, ME DÊ ÂNIMO, CORAGEM E MUITA CONFIANÇA. FIQUE SEMPRE COMIGO. DAI-ME UMA PAZ QUE BROTA DO MEU CORAÇÃO. DAI-ME A GRAÇA DE CONSEGUIR FAZER ALGO PARA VOS AGRADAR. DAI-ME FORÇA, A DECISÃO E CORAGEM. ENVIE TEU ESPÍRITO SANTO E TUDO SERÁ CRIADO. NÃO DEIXE TARDAR EM VOS AGRADECER. ILUMINE MINHA MENTE QUE DEVO FAZER. AJUDE QUE EU NÃO ME ESQUEÇA DE VOS AGRADECER. JESUS FIQUE SEMPRE COMIGO. DOCE CORAÇÃO DE MARIA, RAINHA DO CÉU E DA TERRA. SEJA NOSSA SALVAÇÃO. AMÉM

Observação: Esta oração foi escrita por minha mãe em seus últimos dias de vida /1993. Saudades!

domingo, 18 de setembro de 2011

Análise literária - Amor de Capitu e outros

 
Fonte: http://youtu.be/4UUpPcSuWVk

Leia abaixo as sugestões de análises
  •   Crônica: Amor de Capitu, de Fernando Sabino
  •  Compare com a obra Dom Casmurro, de Machado de Assis

 

Amor de Capitu, de Fernando Sabino

(Resumão)

 

  • *  Amor de Capitu (Leitura fiel do romance de Machado de Assis sem o narrador D. Casmurro) Fernando Sabino

Apresentação da obra: o que sempre atraiu Sabino não “foi à intrigante e, todavia óbvia infidelidade da personagem principal”, mas descobrir se a dúvida teria sido premeditada pelo autor, “através de um narrador evasivo, inseguro, ingênuo, preconceituoso e casmurro como o apelido que assumiu para si mesmo”. 
O romance reconta a história narrada em Dom Casmurro, sem as interferências do protagonista na narrativa. Pretende-se verificar quais os efeitos do deslocamento do foco narrativo para a 3ª pessoa, o que já se verifica no título, Amor de Capitu, que retira o foco central do narrador Bentinho.
Contemporanização do romance original prática da releitura intertextual (Recriação literária) modernização de palavras e expressões idiomáticas.
  •   Consequências da transposição do foco narrativo para a 3ª pessoa:
  1. retira-se as digressões do narrador sobre o passado e a construção do romance
  2. excluem-se as inúmeras referências intertextuais, ligadas, principalmente, à questão da traição
  3. supressão dos diálogos com o leitor, que podem ser relacionados à tentativa de conquistar sua confiança
  4. o tempo psicológico, resultante de uma narrativa de cunho memorialista, passa a ser cronológico
  5. aglutinação de capítulos do original e transposição de alguns entrechos
  6. utilização do discurso indireto livre para se expor as sensações de Bentinho (por vezes, é difícil identificar com clareza a quem pertencem as considerações): “Com que então ele amava Capitu, e Capitu o amava! Realmente, andavam sempre juntos, mas não lhe corria nada que fosse secreto entre os dois.”; “Não, ele não sabia a que comparar aqueles olhos de Capitu. Olhos de ressaca? Isso mesmo, de ressaca: é o que lhe dava ideia aquela feição nova”.

  • Sabino: “procurei reviver os acontecimentos do livro a partir do mesmo ângulo do narrador original, com os mesmos elementos prosódicos, sem a interveniência de interpretações pessoais posteriores, muitas vezes deformadas pelo tempo decorrido”
  • Como o narrador não acrescenta à obra as perspectivas de outros personagens, a visão de Bentinho, construída por Machado de Assis, é mantida em Amor de Capitu. Isso quer dizer que a narrativa mantém seu ponto de vista tendencioso sobre a aparente certeza da traição de Capitu e Escobar.

  • É bem, e o resto? (mesmo título do último capítulo de Dom Casmurro): considerações do autor acerca do processo de construção do livro. Enquanto que no romance original a metalinguagem funde-se à própria narrativa, na obra de Sabino, ela aparece numa seção à parte do enredo.

  • O cronista Dom Casmurro: capítulos de Dom Casmurro excluídos em Amor de Capitu, transcritos e apresentados como “exemplo de excelentes crônicas de época” → Bentinho “como comentarista de si mesmo e dos fatos de seu tempo, à margem da trama romanesca de sua pretensa autoria”.
*É fundamental que você tenha também o material que contém a comparação entre os trechos de Dom Casmurro e Amor de Capitu.


 Saiba mais!!!

  •  Compare análise da crônica Amor de Capitu, de Fernado Sabino com a obra Dom Casmurro, de Machado de Assis
RESUMO DE DOM CASMURRO, Machado de Assis  (resumo)


Dom Casmurro foi publicado em 1900 e é um dos romances mais conhecidos de Machado. Narra em primeira pessoa a história de Bentinho que, por circunstâncias várias, vai se fechando em si mesmo e passa a ser conhecido como Dom Casmurro. 
Órfão de pai, criado com desvelo pela mãe, Dona Glória, protegido do mundo pelo círculo doméstico e familiar (tia Justina, tio Cosme, José Dias), Bentinho é destinado à vida eclesiástica, em cumprimento a uma antiga promessa da mãe. [...]

Agora, acesse o conteúdo na íntegra, abaixo:


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá pessoal!
Agradeço seu comentário.
Volte sempre! Geisa