PAISAGEM

ORAÇÃO DO DIVINO ESPÍRITO SANTO

OH! JESUS MEU ETERNO PAI DO CÉU, DOCE CORAÇÃO DE JESUS, SOIS O ME REFÚGIO, MEU GUIA, MINHA LUZ QUE ILUMINA TODO MEU CAMINHO, ME PROTEJA, ME AJUDE, ME DÊ ÂNIMO, CORAGEM E MUITA CONFIANÇA. FIQUE SEMPRE COMIGO. DAI-ME UMA PAZ QUE BROTA DO MEU CORAÇÃO. DAI-ME A GRAÇA DE CONSEGUIR FAZER ALGO PARA VOS AGRADAR. DAI-ME FORÇA, A DECISÃO E CORAGEM. ENVIE TEU ESPÍRITO SANTO E TUDO SERÁ CRIADO. NÃO DEIXE TARDAR EM VOS AGRADECER. ILUMINE MINHA MENTE QUE DEVO FAZER. AJUDE QUE EU NÃO ME ESQUEÇA DE VOS AGRADECER. JESUS FIQUE SEMPRE COMIGO. DOCE CORAÇÃO DE MARIA, RAINHA DO CÉU E DA TERRA. SEJA NOSSA SALVAÇÃO. AMÉM

Observação: Esta oração foi escrita por minha mãe em seus últimos dias de vida /1993. Saudades!

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Como fazer um Plano de Trabalho Docente

Plano de Trabalho Docente
Amparo legal
• Artigo 13, II e IV da LDB, aparece como Plano de Trabalho que deve ser feito pelo professor, isso justifica o termo Plano de Trabalho Docente.
• Em Edital de concurso para o magistério aparece como descrição das atividades genéricas dos professores de 5ª a 8ª séries do Ensino Fundamental e séries do Ensino Médio da Rede Estadual do Paraná.
Estruturas do Plano de Trabalho Docente 
Conteúdos
"Definidos por conteúdos estruturantes, ou seja, saberes – conhecimentos de grande amplitude, conceitos ou práticas – que identificam e organizam os diferentes campos de estudo das disciplinas escolares, sendo fundamentais para a compreensão do objeto de estudo das áreas do conhecimento".
ARCO-VERDE, 2005
O desdobramento dos conteúdos estruturantes em conteúdos específicos será feito pelo professor em discussão com os demais professores da área que atuam na escola, garantindo
neste desdobramento em conteúdos específicos, a presença dos conteúdos básicos.
O professor deve dominar o conteúdo escolhido em sua essência, de forma a tomar o conhecimento em sua totalidade e em seu contexto, o que exige uma relação com as demais áreas do conhecimento. Esse processo de contextualização visa a atualização e aprofundamento do conteúdo pelo professor, possibilitando ao aluno estabelecer relações e
análises críticas sobre o conteúdo.
Justificativa
Explicita a escolha dos conteúdos estruturantes e específicos como opção política, educativa e formativa.
Objetivos
Referem-se às intenções educativas. Expressam as intenções de mudanças no plano individual, institucional e estrutural. Estão voltados aos conteúdos e não às atividades.
Encaminhamentos metodológicos e recursos didáticos
Trata-se do processo de investigação teórica que pauta a ação prática, identificando o conjunto de determinados princípios e recursos que serão utilizados pelo professor para chegar aos objetivos propostos.
Critérios de avaliação
Critérios definem os propósitos e a dimensão do que se avalia. Para cada conteúdo precisa-se ter claro o que dentro dele se deseja ensinar, desenvolver e, portanto, avaliar. Os critérios refletem as formas previamente estabelecidas para se avaliar um conteúdo. Deve-se também constar neste item a proposta de recuperação, ou seja, de que forma se prevê a retomada do conteúdo não aprendido, lembrando sempre que a recuperação não deve ser do instrumento (prova, trabalho, atividade), mas sim do conteúdo.
Referências
As referências permitem perceber em que material e em qual concepção o professor vem fundamentando seu conteúdo. Fundamentar conteúdos de forma historicamente situada implica buscar outras referências, não sendo portanto o livro didático o único recurso.

Referências:
ARCO-VERDE. Yvelise Freitas de Souza. Introdução às Diretrizes Curriculares Estaduais. 2005
"ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DA ESCOLA" , texto produzido pela Coordenação de Gestão Escolar - CGE
Bibliografia sugerida pela CGE:
VASCONCELOS, C. dos S. Planejamento: plano de ensino-aprendizagem e projeto educativo. São Paulo: Cortez, 1997.

Novo modelo:

Instrumentos:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá pessoal!
Agradeço seu comentário.
Volte sempre! Geisa