PAISAGEM

ORAÇÃO DO DIVINO ESPÍRITO SANTO

OH! JESUS MEU ETERNO PAI DO CÉU, DOCE CORAÇÃO DE JESUS, SOIS O ME REFÚGIO, MEU GUIA, MINHA LUZ QUE ILUMINA TODO MEU CAMINHO, ME PROTEJA, ME AJUDE, ME DÊ ÂNIMO, CORAGEM E MUITA CONFIANÇA. FIQUE SEMPRE COMIGO. DAI-ME UMA PAZ QUE BROTA DO MEU CORAÇÃO. DAI-ME A GRAÇA DE CONSEGUIR FAZER ALGO PARA VOS AGRADAR. DAI-ME FORÇA, A DECISÃO E CORAGEM. ENVIE TEU ESPÍRITO SANTO E TUDO SERÁ CRIADO. NÃO DEIXE TARDAR EM VOS AGRADECER. ILUMINE MINHA MENTE QUE DEVO FAZER. AJUDE QUE EU NÃO ME ESQUEÇA DE VOS AGRADECER. JESUS FIQUE SEMPRE COMIGO. DOCE CORAÇÃO DE MARIA, RAINHA DO CÉU E DA TERRA. SEJA NOSSA SALVAÇÃO. AMÉM

Observação: Esta oração foi escrita por minha mãe em seus últimos dias de vida /1993. Saudades!

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Interpretação de textos

PRETO E BRANCO, de Fernando Sabino

Perdera emprego, chegara a passar fome, sem que ninguém soubesse: por constrangimento afastara-se da roda boêmia que antes costumava frequentar - escritores, jornalistas, um sambista de cor que vinha a ser seu mais velho companheiro de noitadas.
 De repente, a salvação lhe apareceu na forma de um americano, que lhe oferecia emprego numa agência. Agarrou-se com unhas e dentes à oportunidade, vale dizer, ao americano, para garantir na sua nova função uma relativa estabilidade. 
E um belo dia vai seguindo com o chefe pela Rua México, já distraídos de seus passados tropeços, mas, tropeçando obstinadamente no inglês com quem se entendiam - quando vê do outro lado da rua um preto agitar a mão para ele. 
Era o sambista seu amigo.
Ocorreu-lhe desde logo que ao americano poderia parecer estranha tal amizade, e mais tarde: incompatível com a ética ianque a ser mantida nas funções que passara a exercer. Lembrou-se num átimo que o americano em geral tem uma coisa muito séria chamada preconceito racial e seu critério de julgamento da capacidade funcional dos subordinados talvez se deixasse influir por essa odiosa deformação. Por via das dúvidas, correspondeu ao cumprimento de seu amigo da maneira mais discreta que lhe foi possível, mas viu em pânico que ele atravessa a rua e vinha em sua direção, sorriso aberto e braços prontos para um abraço.
Pensou rapidamente em se esquivar - não dava tempo: o americano também se detivera, vendo o preto aproximar-se. Era seu amigo, velho companheiro, um bom sujeito, dos melhores mesmo que já conhecera – acaso jamais chegara sequer a se lembrar de que se tratava de um preto? Agora, com o gringo ali ao seu lado, todo branco e sardento, é que percebia pela primeira vez: não podia ser mais preto. Sendo assim, tivesse paciência: mais tarde lhe explicava tudo, haveria de compreender. Passar fome era muito bonito nos romances de Knut Hamsun, lidos depois do jantar, e sem credores à porta. Não teve mais dúvidas: virou a cara quando o outro se aproximou e fingiu que não o via, que não era com ele.
E não era mesmo com ele.
Porque antes de cumprimentá-lo, talvez ainda sem tê-lo visto, o sambista abriu os braços para acolher o americano - também seu amigo.
SABINO, Fernando. A Mulher do vizinho. 7. ed. Rio de Janeiro, Record, 1962.p.163-4


Exercícios
01. No primeiro parágrafo do texto, o narrador relata uma mudança de estado na vida do personagem central da narrativa.
a) Identifique o estado anterior e o posterior.
b) Qual a atitude desse personagem diante do novo estado?
02. O segundo parágrafo relata ainda uma nova mudança de estado referente à personagem principal
a) Em que consiste essa mudança?
b) Que personagem, basicamente, desencadeou essa mudança?
03. Considerando-se que o emprego na agência era a sua salvação, que expediente adotou o novo empregado para garantir sua estabilidade?
04. Numa passagem posterior (3º parágrafo), já esquecido dos dias de desempregado, o protagonista sente-se ameaçado.
a) Em que consiste essa ameaça?
b) Explique por que ele se sente ameaçado.
05. Como o personagem central correspondeu ao cumprimento do sambista?
06. Quando pensou que o sambista vinha ao seu encontro para abraçá-lo:
a) Qual a atitude que tomou?
b) Transcreva, do texto, uma passagem em que o personagem procura justificar sua indiferença perante o negro.
07. O desfecho da narrativa é inesperado. Se soubesse desse desfecho, o personagem teria tomado a atitude que tomou?
08. Como se sabe, por trás de fatos narrados, existe sempre um posicionamento crítico do narrador, que se manifesta por meio da seleção dos episódios que relata. Com base no sentido global dessa narrativa, podemos concluir que:
(a) a insegurança e a condição de dependência podem levar o homem a agir contra seus princípios.
b) são próprias da natureza humana a ingratidão e a traição dos amigos.
(c) não corresponde à verdade dos fatos dizer que os americanos têm preconceito de cor.
(d) a diferença cultural entre os povos leva a desentendimentos desconcertantes.
(e) os brancos são mais traiçoeiros que os pretos.

Produção textual

  • Você acredita que ainda existe preconceito racial no Brasil?Já vivenciou alguma situação parecida?
Compreensão do Texto

Responda as questões abaixo com respostas completas e claras:
1- Por que o personagem afastou-se dos amigos?  
2- Por que para o personagem, o americano poderia estranhar a amizade entre ele e o sambista? 
3- Qual a reação do personagem frente ao cumprimento do amigo? 
4- Por que o personagem entrou em pânico? 
5- Por que o personagem achou seu amigo mais preto? 

6-Você acredita que exista preconceito racial no Brasil?Já vivenciou alguma situação parecida? 

sugestões de REDAÇÃO
 1. Leia o texto seguinte, considerando o gênero textual:

Preto e branco
Perdera o emprego, chegara a passar fome, sem que ninguém soubesse; por constrangimento, afastara-se da roda boêmia que antes costumava freqüentar - escritores, jornalistas, um sambista de cor que vinha a ser seu mais velho companheiro de noitadas.
De repente, a salvação lhe apareceu na forma de um americano, que lhe oferecia emprego numa agência. Agarrou-se com unhas e dentes à oportunidade, vale dizer, ao americano, para garantir na sua nova função uma relativa estabilidade.
E um belo dia vai seguindo com o chefe pela Rua México, já distraído de seus passados tropeços, mas, tropeçando obstinadamente no inglês com que se entendiam - quando vê do outro lado da rua um preto agitar a mão para ele.
Era o sambista seu amigo.
 Créditos: Professora Eliana de Oliveira Francílio

    Ø  As aparências enganam muitas pessoas, principalmente as ingênuas. A partir dessa assertiva, desenvolva um texto argumentativo centrado nessa temática.

 Ø Tente elaborar uma narrativa que relate as seguintes transformações de estado:
- um personagem muito pobre;
- ganha na loteria;
- quando rico, é visitado por um amigo dos tempos em que era pobre.

 Observação: Knut Hamsun

BIOGRAFIA Knut Hamsun (1859-1952), Prêmio Nobel de Literatura em 1920, nasceu em Gudbrandsdalen e cresceu na pobreza em Hamarøy, na Noruega. Aos dezassete anos tornou-se aprendiz de sapateiro e, quase na mesma altura, começou a escrever. Passou alguns anos da sua vida nos Estados Unidos da América, viajando e exercendo várias profissões. Em 1899, publicaria as suas impressões sobre este período da sua vida no volume, «Fra det mederne Amerikas Aandsliv». 
Regressado à Noruega publica o seu muito aclamado romance «Fome» (1890). Esta obra, devido ao uso iconoclasta que faz do monólogo interior e à ruptura com a tradicional lógica interna do romance é considerada pela crítica como um marco da literatura moderna, antecedendo obras de escritores como Franz Kafka.
PRÊMIO NOBEL DE LITERATURA A ação de «Fome», um romance marcante e considerado um clássico da literatura mundial, decorre nos finais do século xix. O narrador, um jovem escritor, um homem solitário, deambula pelas ruas de Kristiania (actual Oslo) numa miséria extrema, enregelado pelo frio e tolhido pela fome. Essa miséria em que vive, provoca-lhe momentos de delírio e violentas variações de humor. Mas cedo nos apercebemos de que a “fome” desse sonhador não é apenas física. Há a procura de uma identidade e de um reconhecimento dentro das suas próprias alucinações.

Referências

SABINO, Fernando. in FIORIN, J. L.; SAVIOLI, F. P. 11 ed. p. 293.
__________ A Mulher do vizinho. 7. ed. Rio de Janeiro, Record, 1962.p.163-4

Respostas - Preto e Branco
Questão 1 - a) Estado anterior: tinha um emprego e condições de sobrevivência, como exemplo, o alimento;  estado posterior: não tinha mais emprego e chegou a passar fome.                        b) Afastou-se da convivência com os amigos por constrangimento.

 Questão 2 - a)  Consiste em alterar sua situação de desemprego: arrumar um novo emprego numa agência.
                       b)Um americano que lhe ofereceu emprego.

Questão 3 - Agarrou-se com unhas e dentes ao americano para preservar o emprego.

Questão 4 - a) Na pressuposição de que a amizade com o preto poderia custar-lhe o emprego.
                     b) Imagina que, por causa do preconceito racial, o americano julgasse aquela amizade com o preto incompatível com o novo cargo que ocupava.

Questão 5 - Da maneira mais discreta que lhe coube.

Questão 6 - a) virou a cara e fingiu que não era com ele.
                     b) "Passar fome era muito bonito nos romances de knut Hamsun lidos depois do jantar, e sem credores à porta."

Questão 7 - Evidentemente não. até se envergonharia dela. Na verdade, sua situação de insegurança é que o fez fantasiar e pressupor reações que de fato não ocorreram.

Questão 8 - alternativa "a".




2 comentários:

  1. Respostas
    1. Olá Clarissa! Tudo bem? Desculpe-me, mas devido a reposição da greve não tive tempo de postar as respostas antes. Volte sempre! Abraços!

      Excluir

Olá pessoal!
Agradeço seu comentário.
Volte sempre! Geisa